sábado, 13 de fevereiro de 2010

o pedido

- Gata?
...
Oi Wal! Acordado tão cedo. O que houve?


- É que hoje é sábado. Mas não é um sábado qualquer né?


Hum rum! Hoje é Sábado de Zé Pereira. Dia que o Galo sai as ruas do Recife arrastando multidões de foliões ávidos pelo som do frevo.


- Exatamente por isso eu estou aqui hoje, tão cedo...


E?...


- Nem sei como dizer...


Que tal começar pelo começo? Faz assim: fecha os olhos e fala. Fica mais fácil.

- Ok. Você vai pro Galo?

Humrum.

- Mesmo com o pé na botinha?

E desde quando um pé imobilizado me impediu de fazer alguma coisa Wal? Parece que nem me conhece...

- É verdade. Lembra daquela vez em que você foi pra Boa Viagem e tava chovendo?

Wal, não foge do assunto. Fala logo o que é que você quer.

- Não apressa! Já tá difícil sem sua ajuda!

Ok. Respira e fala Gato.

- Já que vvocê vai pro Galo, er... er... er..

Aff, Fala logo!

- Tá bom! Já que  você ai pro Galo, er... er... posso ir junto?

Hein? Cumequié?? Você quer ir pro Galo?!?

- Sim...

Mas você nunca, nunquinha gostou de carnaval. (a não ser pelas mulheres peladas...)

- As pessoas podem mudar de idéia não acha?

Tem alguma coisa errada nisso tudo sabia?

- Como assim? Não tem nada errado nisso não é? Eu querer conhecer o carnaval?

Tem sim quando você sabe que combinei com meus amigos e vou pra um camarote onde vai ter muita gente bonita. Acho que isso é motivo mais do que justo não?

- Tá bom! Eu confesso! Achei que ia passar o carnaval com você em casa já que seu pé está imobilizado. Mas parece que dá uma febre em você quando ouve os acordes do frevo! Gata, eu morro de preocupação com você na rua e eu aqui sem saber o que você anda fazendo. Lembra do ano passado?

Lembro sim. (caso você não lembre, leia aqui) E achei ótimo.

- Mas você me deixou o dia todo sozinho! E se você não tivesse voltado? O que seria de mim?

Walter, você está com medo de ficar sozinho?

- Aaacho que sim... É estranho porque nunca senti isso na vida...

Relaxa gato, isso é efeito da folia momesca. Nesta época homem se veste de mulher, tímidos saem as ruas conversando com todo mundo, os sérios ficam risonhos e tudo funciona ao contrário. É normal que conosco aconteça o mesmo.

- Não entendi.

Os medos. Lembra que sempre falei do medo de ficar sozinha? E você sempre me encorajou? No carnaval não sinto isso porque só tenho vontade de brincar. E pode ficar tranquilo que volto pra casa sã e salva e sozinha! 

- Sério? Não vai arranjar ninguém pra por no meu lugar?

Nunca farei isso Wal. Você faz parte de mim, lembra?

- É verdade. Você não pode por ninguém no meu lugar. Obrigado Gata. Tô mais tranquis agora. Vai lá e curte a muvuca que eu vou ver a peitudas pela tevê.

Beleza então. No final da tarde estarei de volta. Fica tranquilo que não ponho ninguém no seu lugar. Prometo. Mas...

- Mas o que?!?!

Mas, como não beijo você, pode ser que arrume um por lá... beijos!

- Gataaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa! Volte aqui!

3 comentários:

Diu Mota disse...

kkkkkkkk..agora aguenta, wal!
inté!

Joy disse...

Wal vai levar chifrinhos? Hahahah
Meninaaa!! Que saudades que me bateu agora de Recife... Quando eu fui pra Olinda vi umas coisas do frevo, mas nada de desfile.
Mil vezes o Carnaval daí do que o do Rio e Sampa.. Não é legal pra uma garota hétera ver peitudas. hehehhe!

Beijos e bom feriado querida!

gilgomex disse...

"Mas você nunca, nunquinha gostou de carnaval. (a não ser pelas mulheres peladas...)"

Certo... E qual seria um outro motivo pra nós homens gostarmos de Carnaval??? heuehueuheuheue