quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Quando eu tinha 11 anos, acho eu, a rua da casa da minha avó não era asfaltada. Isso nos trazia grandes problemas, principalmente quando chovia. Ou ficávamos ilhados lá, sem poder sair, ou não conseguíamos chegar se estivéssemos fora.

- Posso saber qual a importância dessa informação para os leitores desse blog?

Logo saberás. Juntamanete com todos eles.

- Mas eu mereço saber antes! Porque só vou poder saber quando eles souberem?

Aff! Tá bom então, senta que te conto! Eu escrevi uma carta para o então prefeito da cidade, pedindo que ele mandasse calçar a rua da minha avó porque ela sofria muito com os alagamentos e o carro do meu avô sempre quebrava por conta dos buracos. Logo em seguida começaram as obras.

- E você acredita até hoje que foi por sua causa?

Lógico que não ô criatura santa! Mas na época sim. Teve inauguração com direito a palanque e eu fui convidada a subir para descerrar a placa junto com o Prefeito. Me achei muito importante e feliz com a minha iniciativa e escrever a cartinha. Mas isso não é onde quero chegar. So contei para poder situá-los na história que começa agora:

- Isso tudo só pra situar?

Se reclamar não conto mais nada!

- Tá bom... Vou ficar calado.

Então, logo depois que a rua foi calçada, levei um tombo e arrebentei o joelho.

- Eu me lembro disso... Você passou dias com febre e dor de garganta.

Exatamente. Fui ao hospital e precisou fazer uma raspagem na área porque estava muito inflamado.

- Sim... E...

Aí que eu caí novamente. E o joelho ta inchado e machucado como da primeira vez. Não quero passar por tudo aquilo de novo Wal... Foi muito doloroso pra mim...

- Mas se for preciso vai fazer sim.

É... Eu sei Wal... Mas espero não precisar.

- Gata, sabe quem é o culpado disso tudo, não sabe?

Ninguém a não ser eu mesma que caí sozinha Wal.

- Não Gata! é lógico que tem um culpado! Quem mandou calçar a rua? O Prefeito! A culpa é dele! Sempre a política incomodando!

Isso foi a coisa mais absurda que eu já ouvi.

- Pode ser absurda como for. Mas se a rua não tivesse sido calçada, hoje você não teria essa lembrança ruim e não estaria preocupada. Ou seja, culpa do Prefeito!

9 comentários:

Nana disse...

hahahaha bem, até que ele tem razão, vê se cuida amiga!
bjss

Joy disse...

Ah sim! Hahaha
Você merece o mesmo apelido que minha mãinha me deu: Sofia a Desastrada! É nome de um livro da época dela que eu ainda quero ler, mas que tem bem a ver com a gente (não tenho certeza se vc é desastrada frequentemente...).

Finalmente tomei vergonha na cara e te coloquei na minha listinha de blogs a serem lidos pelos outros, no meu bloguitcho!


beijos sabor cajá (hihihi, gostei disso!)

Mais um imundo no mundo impuro. disse...

E mania de externalizar a culpa, mas tem razão WAL!

To começando a achar que vc Layla é só um pouquinho azarada, acontece cada coisa heim....


Adoro!

Abraços!

Bárbara Carvalho disse...

Oi querida, boa tarde.
Tem interesse em brechós virtuais? Sou de Brasília e vendo várias peças DE MARCA novas e usadas no meu blog, mando para todo o Brasil =]
Venha me visitar!
www.barbaraccarvalho.blogspot.com

Beijinhos.

Tiburciana disse...

Wal mais uma vez coberto de razão
Layla vc me lembra a mim mesma com seu lado desastrado huaaaa

Barlavento disse...

Você ainda não contou pros seus leitores como e aonde você caiu desta vez...

Luma Beatriz Peril disse...

Layla, achei teu blog na internet e amei!
É muito divertido!

Marcia Gullo disse...

Quando eu era menorzinha (pouquinho tempo atras) a rua da casa da minha Vó tambem não era asfaltada e sabe o que eu e minha prima faziamos quando chovia!??? tiravamos os chinelos e pisavamos na lama até ela sair por entre os dedos!!!!
hoje parece nojento, mas na epoca era uma alegria só brincar na lama.

Beijos queridona,
Inté.

Diu Mota disse...

Me divirto com esse Walter...
um grande abraço!