terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Fada Madrinha

Queria uma fada madrinha.
- Pra que Baby? Você já tem a mim.
 Fala sério Walter. Desde quando você realiza meus desejos?
 - Desde sempre boneca.
 Esse “boneca” é a prova audível de que você não os realiza.
 - Discordo. Essa é a forma que encontrei de fazer com que você exercite seu vocabulário.
 De respostas mal educadas só se for.
 - Não deixa de ser vocabulário. Na verdade, o que faço é estimular seu coração. Isso evita que você enfarte.
 Qualquer dia desses Walter, eu enfarto de raiva de você.
 - Só espero que não seja agora baby, estou louco de curiosidade pra saber porque você deseja uma fada madrinha...
 Às vezes acho que meus desejos são como os da Cinderela. Só em contos de fadas e com uma super, hiper, mega, power fada madrinha pra me atender.
 - Se você sabe disso tudo, e sabe também que fadas madrinhas são difíceis nos dias atuais, porque continua insistindo com eles?
 Porque são meus, fazem parte de mim. Não posso abandoná-los como se não existissem.
 - Ok Gata, pode começar a enumerá-los:
 Eu quero:
Um homem pra chamar de meu (que Marina Lima me perdoe). Ou melhor, poder chamar de meu o homem que eu escolher.
Um castelo, que não precisa ter as dimensões de um de verdade. Pode ser quarto, sala, cozinha e banheiro.
Tempo pra ver meus filhos crescerem, sem precisar me matar de trabalhar pra que eles possam crescer.
Uma vida livre de preocupações, desenganos, tristezas, lamúrias, morte, choro, dor, medos, angústias, depressões, pessoas mesquinhas, invejosas e sem escrúpulos e uma série mais de coisas que não quero enumerar porque me entristecem.
 - Isso está me dando sono. Traz uma cerveja pra ver se agüento esse papo...
 Você não pode beber Walter. Faz parte de meu inconsciente. Bastante consciente pro meu gosto.
 - Esse seu ceticismo é o que te mata sabia? Por isso nunca te pedi em casamento.
 Não sou cética! Muito menos quero casar com você!
 - Claro que é! E não fale nada do que possa se arrepender depois. Eu seria o seu par perfeito!
Olha só,
o que você deseja não parece nada impossível. Pensei que ia ouvir você dizer que queria fama, fortuna, viagens interplanetárias, voltar no tempo, ressuscitar mortos. Coisas desse tipo sabe?
Mas o que você pede, nada mais é do que os desejos de uma mulher normal, humana e, se me permite o elogio: romântica.
Porém nem isso você aceita. Acredita que os seus desejos de gata borralheira são impossíveis!
Deixa de ser tão exigente e pessimista! Um ano novo bate em sua porta, cheio de esperanças e oportunidades e você mesma põe terra nos pedidos que fez à beira mar...
Acredite em você menina! Você não é a única a ter esses desejos no mundo!  Alguém nesta blogsfera, por favor concorde comigo!
 Sabe Walter, por vezes você consegue ser muito coerente.
 - Não gata, por vezes não, sempre sou. Só que em poucos momentos deixo de ser coerente e cafajeste para ser apenas coerente. Concordo que fico um pé no saco nesses momentos.
 Pronto. Voltou ao normal...
 - Alguém nesse relacionamento precisa ser normal baby. E nesse caso, não preciso ser convencido de que esse é o meu papel. Ta na sua cara! (Ou melhor, no seu blog).
 Ok, corro um sério risco, mas vou fazer essa pergunta: Qual a lição de hoje?
 - Achei que não ia perguntar nunca!
Em primeiro lugar se aceite como é, sem modificar nem um fio de cabelo. E permita-se viver!
Acredite nos seus sonhos e lute por eles. Porque uma vida sem sonhos, e pesadelos também, não pode ser chamada de vida. Você não nasceu pra ficar sentada à margem dela vendo os outros passarem, acompanhe o fluxo e por vezes guie e determine a velocidade do mesmo! Seja o capitão da sua nau.
 Poxa Walter, quando você esquece de ser um porco chauvinista fica encantador sabia? ...
... Tô cansada...
- De quê baby? De às vezes ser frágil?
Nunca! E nem pense em achar que isso é sinal de fraqueza. É preciso ser muito forte pra assumir que sente falta de coisas que já teve, deixou de ter e agora quer ter de novo. Com uma roupagem mais moderna não é minha princesa?
É Walter, é.

- Já que estamos resolvidos, ao menos até a próxima crise, podemos deitar neste calor insuportável e tentar dormir um pouco? Minha carcaça precisa de descanso.

Por hoje Walter, vou ser uma boa menina e fazer exatamente o que você me pede. Vamos deitar.

- Baby, baby, baby. Percebeu que você é apenas o capitão da nau? Quem manda mesmo na bagunça é o comandante, o capitão só “pilota”. E esse posto nem preciso te dizer que é meu.

Tudo bem Walter. Hoje você pode tudo!

- Nem me tente garota...
... Mas bem que nos seus desejos você poderia ter incluído um ar condicionado...

2 comentários:

cleia disse...

Caramba, me acabo de rir nessas tuas leseiras kkkkkkkkkkkkkkkkk
bjssssssss

Ivan Colaço disse...

Meu caro amigo Walter, venho me solidarizar com vc e concordar consigo nesta blogsfera. Nós temos mesmo que desejar tudo aquilo que nos é permitido como seres humanos e mortais pensantes. Se nós não desejarmos uma vida melhor para nós mesmos , com certeza não será o nosso vizinho quem irá desejar isso para nós. O pessimismo não leva a nada, enquanto o otimismo nos leva a lutar para conseguirmos aquilo que almejamos para nossa vida ser pelo menos aparentemente melhor.Desejar e lutar por uma vida melhor faz parte do ser humano. Isso me fez lembrar uma quadrinha de Francisco Otaviano a qual transcrevo agora: Quem passou pela vida em brancas nuvens , E em plácido repouso adormeceu, Quem não sentiu o frio da desgraça, Quem passou pela vida e não sofreu, Foi espectro de homem, não foi homem, Só passou pela vida e não viveu. "Parabéns Walter sacode essa menina. Ela está precizando acreditar um pouco mais na capacidade dela." Abração IVAN.